ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:

TÉCNICO EM APOIO FAZENDÁRIO

TÉCNICO EM APOIO FAZENDÁRIO


LEI Nº 8.533, DE 21 DE JANEIRO DE 1988.

Reorganiza o Quadro de Pessoal Efetivo da Secretaria da Fazenda e dá outras providências .

PEDRO SIMON, Governador do Estado do Rio Grande do Sul.

Faço saber, em cumprimento ao disposto no artigo 66, item IV, da Constituição do Estado, que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono e promulgo a Lei seguinte:

Art. 1º - O Quadro de Pessoal Efetivo da Secretaria da Fazenda é reorganizado nas carreiras, de cargos de provimento efetivo, de Fiscal de Tributos Estaduais, de Auditor de Finanças Públicas e de Técnicos em Apoio Fazendário.

Parágrafo único - O regime de trabalho dos titulares de cargos referidos neste artigo é de 40 horas semanais, que poderão ser cumpridas em sistema de rodízio em períodos diurnos e noturnos, inclusive aos sábados, domingos e feriados, conforme escala de serviço, garantido o descanso semanal de 24 horas consecutivas.

Art. 2º - São criados 1.800 cargos de provimento efetivo de Técnico em Apoio Fazendário, assim distribuídos:

I - 400 cargos de Técnico em Apoio Fazendário, Classe A;

II - 370 cargos de Técnico em Apoio Fazendário, Classe B;

III - 360 cargos de Técnico em Apoio Fazendário, Classe C;

IV - 340 cargos de Técnico em Apoio Fazendário, Classe D;

V - 330 cargos de Técnico em Apoio Fazendário, Classe E.

Art. 3º - São extintos os 270 cargos da carreira de Oficial Fazendário, os 1.200 cargos da carreira de Ajudante Fazendário e os 105 cargos da carreira de Técnico em Contabilidade Fazendário, de que tratam as Leis nºs 5.208, de 31 de dezembro de 1965, 7.087, de 12 de setembro de 1977 e 7.686, de 1º de julho de 1982, e respectivas alterações, passando seus titulares a ocupar os cargos de Técnico em Apoio Fazendário, respeitada a seguinte correspondência:

I - na Classe A, os titulares dos cargos da carreira de Ajudante Fazendário, Nível III, Classes B e C;

II - na Classe B, os titulares dos cargos da carreira de Ajudante Fazendário, Nível III, Classe D;

III - na Classe C, os titulares dos cargos da carreira de Ajudante Fazendário, Nível IV, Classe (A + B)/2;

IV - na Classe D, os titulares dos cargos das carreiras de Oficial Fanzendário e de Técnico em Contabilidade Fazendário, Nível IV, Classe B;

V - na Classe E, os titulares dos cargos das carreiras de Oficial Fazendário e de Técnico em Contabilidade Fazendário, Nível IV Classes (A + B)/2 e (B + C)/2.

Parágrafo único - Para fins do enquadramento previsto neste artigo, a Classe A da carreira de Técnico em Apoio Fazendário fica acrescida de 139 cargos, que se extinguirão à medida que vagarem.

Art. 4º - Ressalvadas as exceções da presente Lei, o ingresso na carreira de Técnico em Apoio Fazendário dar-se-á em cargo da classe inicial, mediante concurso público de provas, sendo requisitos mínimos:

I - ter instrução correspondente ao 2º Grau completo;

II - ter idade, na data da abertura do prazo de inscrição no concurso, não inferior a 18 anos e não superior a 40 anos.

Parágrafo único - O concurso a que se refere este artigo poderá ser de âmbito regional, para provimento de vagas localizadas, nos termos do disposto no respectivo edital de abertura de inscrições, caso em que o nomeado não poderá, nos primeiros cinco anos de efetivo exercício na função, solicitar remoção nem ser colocado à disposição de outro órgão.

Art. 5º - Competem aos Técnicos em Apoio Fazendário as atribuições previstas para os cargos de carreira extintos pelo artigo 3º desta Lei, a execução das funções referentes ao sistema de pagamento do pessoal do Estado, bem como outras que lhes venham a ser determinadas por lei, por regulamento ou pela autoridade competente.

Art. 6º - A lotação dos Técnicos em Apoio Fazendário é privativa na Secretaria da Fazenda e comum a todos os órgãos desta.

Parágrafo único - O Secretário de Estado da Fazenda expedirá portaria fixando a lotação, o número de cargos e a designação dos Técnicos em Apoio Fazendário, para cada um dos órgãos da Secretaria da Fazenda.

Art. 7º - O vencimento básico atribuído à Classe E, final da carreira de Técnico em Apoio Fazendário, fica fixado em Cz$ 13.330,00 (treze mil trezentos e trinta cruzados).

§ 1º - Do vencimento básico referido no "caput" deste artigo calcular-se-á o das demais classes de acordo com o seguinte escalonamento vertical:

a) Classe E, 1,00;

b) Classe D, 0,85;

c) Classe C, 0,75;

d) Classe B, 0,65;

e) Classe A, 0,55.

§ 2º - Sempre que, pela aplicação dos coeficientes previstos no parágrafo anterior, os valores obtidos não corresponderem à dezena exata de cruzados, serão arredondados para a imediatamente superior.

Art. 8º - A Gratificação de Apoio Fiscal, de que trata o artigo 4º da Lei nº 7.087, de 12 de setembro de 1977, e suas alterações, é devida aos Técnicos em Apoio Fazendário e calculada sobre os vencimentos correspondentes ao cargo da classe final da carreira, pela aplicação dos seguintes percentuais, não cumulativos, em razão do exercício:

I - nos Postos Fiscais considerados, por ato do Secretário de Estado da Fazenda, de difícil provimento ou acesso, 95%;

II - nos demais Postos Fiscais e nas Turmas Volantes, 65%.

Parágrafo único - Permanecem em vigor, para a carreira de que trata este artigo, as demais disposições relativas à percepção e à incorporação aos proventos de Gratificação de Apoio Fiscal.

Art. 9º - Os titulares dos cargos de Técnico em Apoio Fazendário, quando em serviço interno no âmbito da Secretaria da Fazenda, fazem jus a 50% do percentual máximo atribuído à Gratificação de Apoio Fiscal, calculado sobre o respectivo vencimento.

Art. 10 - Aos Técnicos em Apoio Fazendário, quando designados, por ato do Secretário de Estado da Fazenda, para exercício de função que envolva a execução de pagamentos ou de recebimento de valores, aplica-se o disposto no artigo 3º da Lei nº 6.331, de 9 de dezembro de 1971, e na Lei nº 7.124, de 28 de dezembro de 1977.

Art. 11 - Ao Técnico em Apoio Fazendário que for lotado em repartição fazendária do interior do Estado, exceto em Postos Fiscais e Turmas Volantes, por ela respondendo no limite de suas atribuições e das que lhe forem expressamente delegadas pela autoridade competente, sob supervisão periódica de funcionários de nível superior da área respectiva, fica assegurada uma gratificação, nominalmente identificável, correspondente a 30% do seu vencimento básico, respeitadas as seguintes condições:

I - que a repartição não tenha lotado e em exercício funcionário fazendário de nível superior;

II - que o funcionário tenha residência fixa na localidade em que se situar a repartição;

III - que o funcionário já tenha cumprido o estágio probatório.

§ 1º - A lotação nas condições deste artigo dar-se-á por ato do Secretário de Estado da Fazenda.

§ 2º - A gratificação de que trata este artigo não será base de cálculo para nenhuma outra vantagem e não será incorporável.

Art. 12 - Aos titulares dos cargos fazendários em extinção, referidos no Anexo III à Lei nº 8.129, de 13 de janeiro de 1986, ficam asseguradas as vantagens do cargos de Técnico em Apoio Fazendário, no que couber, estabelecida a seguinte classificação:

I - Auxiliar de Mecanização e Auxiliar Fazendário, na Classe A;

II - Oficial de Mecanização, na Classe B;

III - Técnico em Mecanização, Nível IV, Classe (A+C)/2 , na Classe E.

Parágrafo único - Aos titulares dos cargos de Auxiliar de Expedição e Limpeza aplica-se o disposto no artigo 9º desta Lei, nas condições lá previstas, salvo a base de cálculo que será a correspondente à última classe da carreira respectiva.

Art. 13 - Aos aprovados no concurso público para provimento do cargo de Oficial Fazendário, Nível IV, Classe B, fica assegurado, em caso de nomeação, o ingresso na Classe D da carreira de Técnico em Apoio Fazendário.

Art. 14 - São extintos os 594 cargos da carreira de Exator, os 160 cargos da carreira de Contador Fazendário e os 32 cargos da carreira de Técnico em Economia e Finanças, de que tratam as Leis nºs 8.116, de 30 de dezembro de 1985, 8.117, de 30 de dezembro de 1985 e 8.123, de 31 de dezembro de 1985.

Art. 15 - São criados 550 cargos de provimento efetivo de Auditor de Finanças Públicas, assim distribuídos:

I - 115 cargos de Auditor de Finanças Públicas, Classe A;

II - 135 cargos de Auditor de Finanças Públicas, Classe B;

III - 145 cargos de Auditor de Finanças Públicas, Classe C;

IV - 155 cargos de Auditor de Finanças Públicas, Classe D.

§ 1º - Os atuais titulares dos cargos de Exator, de Contador Fazendário e de Técnico em Economia e Finanças, ora extintos, passam a ocupar os cargos de Auditor de Finanças Públicas, respeitada a correspondência de classe.

§ 2º - Para os fins do enquadramento previsto neste artigo, as classes B e C da carreira de Auditor de Finanças Públicas ficam acrescidas, respectivamente, de 61 e 39 cargos, que se extinguirão à medida que vagarem.

Art. 16 - Os cargos de Auditor de Finanças Públicas são privativos de diplomados em curso de nível superior, em grau de bacharelado, em Ciências Contábeis, em Ciências Jurídicas e Sociais, em Ciências Econômicas, em Administração, ou em outro curso do mesmo nível e graduação correlato com a atividade fazendária, conforme ficar estabelecido em regulamento.

Art. 17 - A lotação ou designação do Auditor de Finanças Públicas, privativamente em órgão da Secretária da Fazenda, decorrerá de ato do titular da Pasta.

Art. 18 - Ressalvado o disposto nos §§ 1º e 2º, do artigo 15, o acesso à classe inicial da carreira de Auditor de Finanças Públicas dar-se-á, tendo como requisitos mínimos os previstos no artigo 16 desta Lei, da seguinte forma, alternadamente:

I - 50% das vagas mediante recrutamento interno, por prova de habilitação, onde concorrerão os Técnicos em Apoio Fazendário que satisfaçam os requisitos mínimos;

II - 50% das vagas mediante recrutamento externo, por concurso público de provas, cujo edital de abertura das inscrições estabelecerá os demais requisitos.

Parágrafo único - O recrutamento interno sempre precederá o recrutamento externo, acrescendo-se a esse as vagas restantes, em caso de não aprovação de candidatos em número suficiente.

Art. 19 - Compete ao Auditor de Finanças Públicas o exercício das atribuições especificadas no Anexo Único desta Lei, respeitada a área de lotação e a diplomação respectiva.

Art. 20 - Os vencimentos atribuídos aos cargos de Auditor de Finanças Públicas são os previstos em lei para os cargos de Exator, de Contador Fazendário e de Técnico em Economia e Finanças, observada a correspondência de classe.

Art. 21 - A Gratificação Individual de Produtividade Exacional, a Gratificação Individual de Controle e Auditoria Contábil e a Gratificação Individual de Coordenação e Elaboração Orçamentária passam a denominar-se Gratificação Individual de Produtividade Fazendária.

Art. 22 - O "caput" e o § 1º do artigo 2º da Lei nº 8.129, de 13 de janeiro de 1986, passam a vigorar com nova redação e ficam acrescidos os §§ 4º e 5º, como segue:

"Art. 2º - O valor unitário dos pontos, para o cálculo das gratificações abaixo, corresponderá a 0,26% dos vencimentos da Classe D da respectiva carreira, obedecidos os seguintes limites:

I - Gratificação Individual de Produtividade Fazendária, 6.480 pontos por exercício;

II - Gratificação Individual de Produtividade Fiscal, 10.800 pontos por exercício.

§ 1º - Os pontos atribuídos em função do desempenho individual serão integralmente considerados para fins de cálculo das gratificações de que trata este artigo, que serão pagos mensalmente, até o valor equivalente a 1/12 do limite individual máximo de pontos."

"§ 4º - O Governador do Estado poderá aprovar programas especiais de fiscalização propostos pelo Secretário de Estado da Fazenda, e autorizar, para os servidores cuja produtividade ultrapassar, em sua expressão trimestral, o limite estabelecido no item II do "caput" deste artigo, o pagamento, no mês seguinte ao encerramento de cada trimestre, correspondente aos pontos que resultarem da aplicação do fator de 50%, 40%, 30% e 20%, sucessivamente, sobre e a cada 900 pontos excedentes, ou fração, limitado o pagamento a 1.350.

§ 5º - Aprovação e autorização idênticas às previstas no parágrafo anterior poderão ser estendidas aos servidores cuja avaliação do desempenho ultrapassar, em sua expressão trimestral, o limite estabelecido no item I do "caput" deste artigo, porém, a cada 540 pontos e limitado ao pagamento de 810 pontos."

Art. 23 - Ficam acrescentados os números 5 a 10 ao item III do artigo 9º da Lei nº 8.118, de 30 de dezembro de 1985, com a seguinte redação:

"5) planejar e controlar a arrecadação das receitas estaduais;

6) administrar a cobrança dos créditos tributários lançados, inclusive inscrição e cobrança da Dívida Ativa, na fase administrativa;

7) administrar o cadastro dos agentes arrecadadores e dos devedores do Estado;

8) proceder a estimativa fiscal de bens, inclusive quando contraditória, para fins de recolhimento de impostos;

9) controlar, avaliar e auditar os agentes arrecadadores;

10) pronunciar-se em processos de inventários e arrolamentos, sobre o valor dos bens imóveis e direitos a eles relativos."

Art. 24 - O provimento de cargos nas classes seguintes à inicial, das carreiras de Auditor de Finanças Públicas e de Técnico em Apoio Fazendário, far-se-á por promoção, de classe a classe, obedecidos os critérios de antigüidade na classe e de merecimento, alternadamente, de acordo com regulamento próprio, exceto quanto à classe final, que obedecerá somente ao critério de merecimento.

Parágrafo único - Verificada a existência de vagas, computadas até o último dia do semestre anterior, as promoções serão efetivadas nos meses de junho e dezembro de cada ano, a partir do exercício de 1988, inclusive.

Art. 25 - Aos titulares dos cargos de Auditor de Finanças Públicas e de Técnico em Apoio Fazendário ficam assegurados todos os direitos, vantagens, prerrogativas, garantias, deveres e restrições estabelecidos para os cargos originários, extintos por esta Lei, salvo disposição em contrário ou revogação expressa.

Parágrafo único - O disposto neste artigo aplica-se, em especial, à vantagem prevista na Lei nº 7.852, de 14 de dezembro de 1983, e suas alterações.

Art. 26 - As disposições desta Lei, inclusive a percepção integral das vantagens ... vetado ..., aplicam-se, igualmente, aos servidores já inativados e aos que vierem a se inativar, em relação às carreiras que regula e, no que couber, aos pensionistas do Estado.

Art. 27 - No prazo de 150 dias da publicação desta Lei, o Poder Executivo encaminhará ao Poder Legislativo Projeto de Lei instituindo o Estatuto do Funcionário Fazendário do Estado do Rio Grande do Sul.

Art. 28 - As despesas decorrentes desta Lei correrão à conta de dotações orçamentárias próprias.

Art. 29 - Esta Lei entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 1988.

Art. 30 - Revogam-se as disposições em contrário.

PALÁCIO PIRATINI, em Porto Alegre, 21 de janeiro de 1988.

 

ANEXO ÚNICO

ESPECIFICACÃO DAS ATRIBUIÇÕES DO CARGO

DE AUDITOR DE FINANÇAS PÚBLICAS

I - VINCULADOS ÀS ÁREAS ORÇAMENTÁRIA, E CONTABILIDADE E DE AUDITORIA

1 - Estabelecer normas e procedimentos sobre matéria de natureza contábil;

2 - elaborar Plano de Contas, Classificadores e Ementários de Receita e Despesas Públicas;

3 - planejar, organizar e implantar sistemas contábeis;

4 - orientar e controlar as atividades relacionadas com a escrituração dos fatos relativos às gestões orçamentária, financeira e patrimonial, inclusive dos Fundos Especiais;

5 - coordenar, orientar, executar e controlar todos os serviços de contabilidade da Administração Direta do Estado;

6 - supervisionar e orientar os serviços de contabilidade da Administração Indireta e das Fundações instituídas ou mantidas pelo Estado;

7 - proceder ao levantamento do Balanço Geral do Estado e do Balanço Consolidado do Setor Público Estadual;

8 - analisar, interpretar e avaliar os elementos integrantes do Balanço Geral do Estado, dos Balanços das Entidades Públicas Estaduais e dos Balanços Consolidados do Setor Público;

9 - controlar e emitir parecer sobre as participações societárias do Estado;

10 - examinar e emitir parecer de tomada de contas dos responsáveis, da Administração Direta;

11 - controlar e efetuar estudos referentes à execução orçamentária e emitir parecer sobre a abertura de créditos adicionais e outras alterações orçamentárias;

12 - executar serviços de auditoria contábil, administrativa e operacional na Administração Direta, nas Autarquias, nas Empresas Públicas, nas Sociedades de Economia Mista e Controladas e nas Fundações instituídas ou mantidas pelo Estado, com emissão dos respectivos relatórios e pareceres;

13 - orientar e assessorar as entidades da Administração Indireta, inclusive Fundações, na organização dos respectivos sistemas contábeis e no aprimoramento de seus controles internos;

14 - examinar licitações, contratos, ajustes, convênios ou outros instrumentos que, direta ou indiretamente, possam originar despesas públicas;

15 - emitir parecer ou prestar informações sobre matéria contábil, financeira, orçamentária, patrimonial ou administrativa;

16 - exercer o controle sobre todos aqueles que, a qualquer modo, arrecadem rendas, efetuem despesas ou administrem bens do Estado;

17 - realizar perícias e revisões contábeis;

18 - assinar Balanços;

19 - realizar estudos, pesquisas e seminários sobre Teoria Contábil;

20 - examinar e emitir parecer sobre processos de prestação de contas;

21 - coordenar o levantamento de inventários;

22 - pesquisar, planejar e implantar sistemas de acompanhamento e apuração dos custos do serviço público;

23 - emitir informações sobre alienação de bens;

24 - exercer atividades referentes à implantação, manutenção, operação, inclusive supervisão, de sistemas de processamento eletrônico de dados, relacionados com o controle interno, serviço de auditoria e controle do endividamento público estadual;

25 - orientar tecnicamente a elaboração de propostas orçamentárias;

26 - coordenar as propostas orçamentárias dos órgãos descentralizados;

27 - elaborar a proposta do orçamento anual e plurianual de investimentos em consonância com a orientação do governo;

28 - programar e acompanhar a execução orçamentária;

29 - proceder ao controle dos créditos orçamentários e adicionais;

30 - prestar assessoria aos municípios em matéria orçamentária;

31 - elaborar estimativas de receita pública;

32 - elaborar estudos sobre planos plurianuais de obras e investimentos;

33 - emitir parecer sobre operações de crédito a serem realizadas, bem como sobre concessões de avais pelo Estado;

34 - proceder estudos para o progressivo aperfeiçoamento do processo, padrões e sistema orçamentário;

35 - realizar estudos e pesquisas econômicas em matéria fiscal e financeira;

36 - executar outras atividades correlatas, em especial as que constituem prerrogativas de Contador ou Economista e demais atribuições estatuídas nesta Lei;

37 - exercer, inclusive em substituição, outros encargos ou funções de direção, coordenação ou assessoramento em órgãos da Secretaria da Fazenda;

38 - exercer ou executar outras atividades ou encargos que lhes sejam determinados pela legislação vigente ou pelas autoridades competentes;

39 - controlar e efetuar estudos sobre a Dívida Pública Estadual, inclusive com emissão de pareceres sobre operações de crédito e organizacional dos respectivos planos de amortização e pagamento de encargos.

II - VINCULADO À ÁREA TRIBUTÁRIA

1 - Planejamento, controle e execução da arrecadação das receitas estaduais;

2 - programação, acompanhamento e controle de arrecadação das receitas oriundas de transferências, convênios e repasses da União;

3 - administração da cobrança dos créditos tributários lançados, inclusive inscrição e cobrança da Dívida Ativa, na fase administrativa;

4 - administração do cadastro dos agentes arrecadadores, dos devedores do Estado, na área de sua competência;

5 - avaliação de bens, inclusive a contraditória, para fins de recolhimento do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e Direitos a eles Relativos;

6 - controlar, avaliar e auditar os agentes arrecadadores;

7 - pronunciar-se em processos de inventários e arrolamentos, sobre o valor dos bens imóveis e direitos a eles relativos;

8 - lavrar termos, intimações e notificações;

9 - orientar os contribuintes em vista ao exato cumprimento da legislação tributária;

10 - responder verbalmente a pedidos de informações e de esclarecimentos formulados por contribuintes;

11 - participar da execução de auditorias fiscais;

12 - proceder a verificação do interior dos estabelecimentos de contribuintes e demais pessoas vinculadas à situação que constitua fato gerador de tributos, sob supervisão da autoridade competente;

13 - determinar o deslocamento e/ou descarregamento de veículos para exame da respectiva carga, quando haja suspeita de evasão fiscal;

14 - proceder inclusões, exclusões e alterações cadastrais de contribuintes e respectivo processamento;

15 - proceder ao arbitramento e fixação de parâmetros de valor para fianças exigidas nas hipóteses e na forma estabelecida na legislação tributária;

16 - proceder à intimação de contribuintes e outras pessoas naturais ou jurídicas, de direito privado ou público, a fim de prestarem informações e esclarecimentos devidos ao fisco por força de lei;

17 - proceder a intimação de contribuintes ou terceiros, para ciência de atos administrativos de natureza tributária;

18 - elaborar informações em expedientes e processos administrativos que lhes forem distribuídos;

19 - atuar na promoção de campanhas que visem à aceitação dos tributos, pelos meios de comunicação ou por meio da realização de exposições, reuniões e cursos específicos;

20 - apurar a distribuição de receitas tributárias estaduais, coletando, analisando e processando dados relativos à participação dos municípios no produto da arrecadação dessas receitas;

21 - promover estudos e pesquisas, visando ao aperfeiçoamento do sistema tributário nacional;

22 - fornecer talonários de Notas Fiscais de Produtor, receber e conferir documentos relativos ao talonário já utilizado;

23 - autorizar a impressão de documentos fiscais;

24 - autenticar livros e documentos fiscais;

25 - fornecer certidão de assentamento cadastral, de tempo de serviço e para fins comerciais, de acordo com procedimentos prestabelecidos;

26 - lavrar autos de lançamento, sob orientação do representante regional da Fazenda, funcionário fazendário das carreiras de nível superior, relativos aos seguintes tributos:

a) Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores;

b) Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e Direitos a ele relativos;

c) Imposto sobre Operações de Circulação de Mercadorias, em pequenas empresas cujo faturamento anual informado não ultrapasse o equivalente a 10.000 ORTEs (Obrigações Reajustáveis do Tesouro Estadual), tomando-se por referência o valor desses títulos no mês de janeiro do ano-base;

27 - exercer ou executar outras atividades ou encargos pertinentes à área da Administração Tributária que lhes sejam determinados pela autoridade competente.

III - VINCULADO ÀS ÁREAS ADMINISTRATIVA E DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

1 - planejamento, acompanhamento e controle do fluxo financeiro do Estado;

2 - programação, controle e execução do pagamento das despesas públicas;

3 - estudos, proposições e divulgação de medidas para o aperfeiçoamento da legislação financeira e administrativa, na área de sua competência;

4 - expedição de instruções normativas e solução de consultas relativas a matérias pertinentes à área de sua atuação;

5 - exercer atividades pertinentes à administração de sistema de processamento de dados no âmbito das áreas Administrativa e da Administração Financeira;

6 - administração, conservação, fiscalização e defesa dos bens imóveis do Estado;

7 - proceder ao exame e estudo dos processos de aforamento ou outra forma de aproveitamento dos imóveis marginais;

8 - emitir parecer sobre aquisições, alienação, locações, permutas, aforamentos e quaisquer explorações dos bens imóveis do Estado;

9 - análise, aperfeiçoamento e controle do pagamento de pessoal do Estado;

10 - prestar apoio em matéria organizacional e operacional, objetivando a modernização das áreas Administrativa e da Administração Financeira;

11 - exercer ou executar outras atividades ou encargos pertinentes às áreas Administrativas e da Administração Financeira.

Fonte:

DOE DE 21/01/88 P-5

Vide:

VER P/DEC 33507 D-O 63 DE 03/04/90 P-2 - FIXA LOTACAO

REGULAMENTADA NO DEC 33974 D-O 119 DE 24/06/91 P-1

ALT P/LEC 10933 D-O 11 DE 16/01/97 P-1 - ALTERA O CAPUT DO ART8 E O CAPUT DO ART11 E REVOGA OS ARTS9 E 10

VER LEC 11124 D-O 23 DE 04/02/98 P-1 - MANTEM E CONSOLIDA COMO A DO CARGO DE AGENTE FISCAL DO TESOURO DO ESTADO AS ATRIBUICOES DOS CARGOS DE FISCAL DE TRIBUTOS ESTADUAIS E DE AUDITOR DE FINANCAS PUBLICAS

ALT P/LEI 11547 D-O 233 DE 08/12/2000 P-1 - INCORPORA A PARTE BASICA DOS VENCIMENTOS, A GRATIFICACAO DE APOIO FISCAL PREVISTA NO ART8, INC I (NO PERCENTUAL DE 85%, CONFORME LEI 10933) E ALT AS LETRAS "A" E "E", DO § 1 DO ART7

Para fazer o download desse item clique no ícone ao lado 

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br