ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Poderes prestam contas e Executivo mostra déficit de R$ 1,5 bi

06/11/2015
Reunião foi na sala Alberto Pasqualini, 3º andar do Palácio Farroupilha
Monitorados pela severidade da crise das finanças públicas, Executivo, Judiciário, Legislativo, Ministério Público, Defensoria e Tribunal de Contas apresentaram hoje (5), na Comissão de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle, presidida pelo deputado Luis Augusto Lara (PTB), a prestação de contas de cada um dos poderes, atendendo exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal. Os números do Executivo mostram que nestes primeiros seis meses o déficit alcançou R$ 1,5 bilhão, apesar de todo o esforço contábil para conter gastos com pessoal, suspensão de pagamentos de fornecedores e controle rígido das despesas administrativas.
 
Conforme o Subsecretário Adjunto do Tesouro do Estado, auditor fiscal Eugênio Carlos dos Santos Ribeiro, os números do final de 2014 registraram R$ 1,9 bilhão de déficit, superando a meta de R$ 1,4 bilhão apontado pela Lei de Diretrizes Orçamentária. O ano de 2014 encerrou com R$ 50,4 bilhões de receita e R$ 51,6 bilhões de despesa. Na relação entre os poderes, o descumprimento da meta original de R$ 37,5 bilhões de despesa superou R$ 1,8 bilhão, chegando a R$ 39,3 bilhões. Tribunal de Contas (12,8%) e Judiciário (11,5%) lideraram as despesas acima do limite nesse período.
 
Avanços e recuos
Nos primeiros seis meses de 2015, da receita total prevista pela LDO, de R$ 57, 3 bilhões, o resultado alcançou R$ 24,5 bilhões de receita e R$ R$ 26,1 bilhões de despesas, com o registro de R$ 1,5 bilhão de déficit no período. Das receitas e despesas orçadas e realizadas até o terceiro bimestre de 2015, faltou o ingresso de R$ 2,9 bilhões, entre a previsão de receita, R$ 23 bilhões, e o que foi realizado, R$ 20 bilhões. Das despesas previstas em R$ 22,4 bilhões, houve o registro de R$ 21,1 bilhões, um contingenciamento de R$ 1,2 bilhões. A entrada de tributos foi frustrada em R$ 710 milhões, uma vez que a previsão era de R$ 16,9 bilhões e ingressaram R$ 16,2 bilhões. Assim, o acumulado negativo alcançou R$ 2,9 bilhões, diante do registro de R$ 2,2 bilhões de outras receitas, que não alcançaram a previsão de R$ 6, 1 bilhão, mas apenas R$ 3,8 bilhões.
 
A dotação orçamentária dos poderes, de R$ 44,1 bilhões, sofreu uma variação de 0,19% e encerrou em junho em R$ 44,2 bilhões. A Defensoria Pública (5,43%) e o Executivo (0,18%) registraram os maiores diferenciais em relação aos demais poderes. Mas, no demonstrativo da economia orçamentária nesse período, houve o registro de contingenciamento dos poderes em R$ 4,7 bilhões.
 
Pela Assembleia Legislativa, Cézar Oliveira Rodrigues de Paula, da Superintendência Administrativa e Financeira, apresentou os números que apontam a redução constante dos empenhos em 88%, meta alcançada por meio do equilíbrio entre as áreas de Infraestrutura Legislativa, Comunicação Social e a Superintendência Administrativa e Financeira. Rodrigues destacou alterações nos postos de votação, em plenário, e no painel de votação, exibiu a redução de 20% nas despesas com publicidade e a edição da Revista Parlamento, além de avanços na modernização dos servidores de rede.
 
A execução orçamentária do Tribunal de Justiça foi apresentada pelo diretor-geral, Omar Amorim, que registrou a queda na participação do Poder nos gastos com pessoal, que não excedem 10%. O diretor-geral do Ministério Público, Roberval da Silveira Marques, mostrou os dados orçamentários da instituição, da mesma forma que o diretor-geral da Defensoria Pública, Flávio Henriques Fulginiti, e do Tribunal de Contas, Valtuir Pereira Nunes, destacaram os resultados da atuação destas instituições.
 
Novas fontes de receita
O presidente da Comissão, deputado Luís Augusto Lara, solicitou do Executivo o montante do orçamento já empenhado e liquidado e o acréscimo das tarifas de energia elétrica e combustíveis, oriundas do governo federal. Também pediu o montante da dívida ativa e recebíveis. Pediu o valor estimado pelo governo com a sonegação, informação que a Fazenda deverá disponibilizar mais tarde.
 
Conforme Eugênio Ribeiro, dos R$ 57,4 bilhões do orçamento, 37,7% já foram empenhados. A previsão de ingresso com as tarifas públicas é em torno de R$ 1 bilhão. A dívida ativa tem R$ 35 bilhões registrados, mas os valores efetivos são em torno de R$ 8 bilhões.
 
À indagação de Lara sobre ação conjunta dos poderes, para aumentar as fontes de receita combatendo a sonegação ou cobrando a dívida ativa, Omar Amorim, pelo Tribunal de Justiça, ponderou que o núcleo do governo está tratando da questão entre juízes e a Procuradoria-Geral do Estado. Valtuir Pereira Nunes, pelo Tribunal de Contas, diante da indagação do presidente da Comissão a respeito de auditoria no Tribunal Administrativo de Recursos Fiscais, o Tarf, explicou que a inspeção especial é em decorrência das investigações em curso no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, Carf.
 
Reunião ordinária
Os deputados aprovaram, em reunião ordinária, a realização de três audiências públicas e convite ao Procurador-Geral do Ministério Público de Contas, Geraldo Da Camino, para que fale sobre as contas de 2014 do ex-governador Tarso Genro, assim como o Conselheiro Algir Lorenzon. Participaram da reunião, os deputados Luis Augusto Lara e Marcelo Moraes (PTB), Alexandre Postal e Tiago Simon (PMDB), Adão Villaverde e Luiz Fernando Mainardi (PT), Marlon Santos (PDT), Silvana Covatti (PP) e Liziane Bayer (PSB).
(Fonte: Assembleia Legislativa)

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br