ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Destaques

O FRIGOMATO é maior que o FRIBOI

Nilo Cortez, engenheiro agrônomo da Emater - Rádio Independente de Lajeado (29/10/2013)

30/10/2013

Tenho acompanhado as propagandas do abatedouro FRIBOI que tem saído em revistas e televisão. Não me agrada pela forma que vem sendo feita, parece que é a única carne boa com inspeção. No Brasil há vários abatedouros com qualidade e inspeção federal – SIF- feito pelo Ministério da Agricultura. Todos eles aptos a venderem no País e alguns exportarem. E aí fiscalizados também pelos Países compradores. Na nossa região temos as Cooperativas Cosuel e Languiru, mais a BRF e Minuano com o SIF. E alguém duvida da qualidade de seus produtos, e inclusive exportam.

No âmbito do Estado temos a inspeção realizada pelo CISPOA, que permite comercializar em todo RS. Mesmo com a falta de profissionais, esta sendo preparado concurso para completar parte das necessidades. Mesmo com estas dificuldades sabemos que os produtos são confiáveis, que me lembro agora o Vian, Taica,

E nos Municípios temos a inspeção municipal – SIM - que permite vender no seu território. Onde o trabalho é feito de forma séria, os produtos destes abatedouros são confiáveis. Aqui temos as agroindústrias de Teutônia (Matinho), Estrela (Diehl), Lajeado (São Bento e Recanto do Vale) e muitos outros.

O Brasil abate por ano cerca de 42 milhões de cabeça de gado e exporta para 170 Países. E as estimativas ficam entre 30% e 50% a matança é clandestina, vamos ficar com os trinta, 12 milhões cabeças. Isto daria para alimentar 20 milhões de lares brasileiros com quatro pessoas. O FRIGOMATO, o Cinamomo Ldta, por incrível que pareça é maior que qualquer um dos fiscalizados. Segundo o SUS são internados por ano mais de 80 mil pessoas por problemas alimentares. Que custo tem isto? Nos abates de ovinos a clandestinidade chega a 98% no Brasil e 60% no RS.

E nos suínos, quantos animais são abatidos e transformados em linguiças e salsichões vendidos como “coloniais”. Na região havia um levantamento informal que existiriam cerca de 80 “linguiceiros” que abatiam na base de um porco por semana (320 mês) e isto vai escondido para o mercado.

Se olharmos pelo lado dos empresários, eles estão muito adiantados em tecnologia, equipamentos, condições de armazenagem adequadas e condições de comercializar e fiscalizados, o que garante a qualidade dos produtos. E quando sai da linha a coisa complica para o lado deles inclusive com a entrada do Ministério Público. Mas o da fiscalização esta defasado pela falta de recursos e profissionais.

Mas mesmo assim a fiscalização será mais produtiva quando da participação dos consumidores. Não é mais possível aceitar que não sabia que não é produto de risco, não faz mal, conheço o que abate e por aí vai. Precisa se aliar e não comprar, e se for o caso denunciar às autoridades para que tomem as iniciativas que lhe cabem.


VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br