ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Rigidez na fiscalização: o caminho para combater a sonegação

26/01/2004
Rigidez na fiscalização: o caminho para combater a sonegação do ICMS
Em entrevista ao BV, o diretor do Afocefe Sindicato, Itacir Todero - ex-chefe do posto fiscal do Estreito - propõe medidas para reduzir a queda na arrecadação dos cofres públicos estaduais.
O aumento da fiscalização ostensiva e o trabalho integrado com outros órgãos estaduais e federais, podem ser a solução para barrar a queda na arrecadação do ICMS no Estado. A avaliação é do diretor do AFOCEFE-Sindicato, Itacir Todero, que antes da atividade sindical atuou como chefe do Posto Fiscal de Estreito, a 40 Km de Erechim, de 1999 a 2003.
Quais são as principais conseqüências desta queda na arrecadação dos cofres públicos estaduais? “O comércio varejista gaúcho apresentou uma redução de 43,35% na arrecadação do ICMS nos últimos 18 anos, o que reflete as falhas na estratégia de fiscalização do Estado. O AFOCEFE-Sindicato entende que este prejuízo impede o Estado de financiar as principais demandas sociais, tais como educação, saúde, saneamento básico, segurança e moradia, só para citar algumas. É preciso lembrar que a Lei serve para todos e a injustiça social é o resultado mais visível deste processo de enfraquecimento da fiscalização fazendária”.
Para solucionar este problema, quais são as propostas defendidas pela entidade da qual o senhor é diretor? “Para combater a sonegação no Estado o AFOCEFE-Sindicato propõe a expansão da estrutura fiscalizatória, com o sentido de criar uma fiscalização mais eficaz e visível, baseada nos critérios do fluxo de veículos e nas características regionais de produção e consumo. A idéia está centrada no acréscimo, às unidades fazendárias já existentes, de outros postos fiscais fixos interiorizados e em divisas interestaduais” Na sua opinião, como isto pode ser feito? “A intenção é contemplar a ampliação da fiscalização móvel, através da dinamização das turmas volantes estaduais com apoio dos municípios, além de criar agências e escritórios em comunidades não atendidas pela Secretaria da Fazenda. A proposta prevê ainda, vantagens reflexivas, como aumento das receitas dos municípios, relativas aos fundos de participação e a possibilidade de fiscalização de IPVA”.
Considerando as dificuldades administrativas do poder público estadual, como a entidade sugere a implementação destas medidas? “Sobre a fiscalização móvel, o sindicato sugere que o Estado coloque em funcionamento as 81 turmas volantes existentes, dobrando o número atualmente em operação, num trabalho dirigido em relação às peculiaridades de cada região. Também defende a fiscalização integrada com outros órgãos, com a conseqüente geração de subsídios para auditorias e a concentração da atuação conforme a sazonalidade da produção e da circulação de mercadorias”.
Para isto, não seria preciso o apoio de todas as prefeituras gaúchas? “Sim. As propostas defendidas pelo AFOCEFE foram apresentadas a todos os secretários de fazenda e prefeitos dos municípios gaúchos, através da Federação das Associações Municipais (Famurs) e da Associação Gaúcha Municipalista (AGM), além de já ter obtido respaldo de vários deputados estaduais. É preciso lembrar que elas têm caráter permanente e visam a aumentar a arrecadação do Estado e dos municípios. Também fazem parte das propostas, a criação de programas de educação fiscal, a implantação de ações ostensivas e repressivas, o suporte das prefeituras com equipamentos, infra-estrutura e troca de informações, assim como a realização de campanhas de incentivo à nota fiscal”. Recentemente o AFOCEFE-Sindicato promoveu um seminário para debater estes problemas. Quais foram os resultados do evento? “A defesa da estrutura estatal foi a tônica da 6° edição do Sefaz Debate, realizado em novembro no auditório da Assembléia Legislativa do Estado. O seminário foi importantíssimo, pois demonstrou as dificuldades vividas pelos prefeitos gaúchos, representados pelos presidentes da Famurs e da AGM, em relação à tributação e à sonegação de impostos. Contamos também com a presença do vice-presidente da CPI Nacional da Pirataria, deputado federal Júlio Lopes e com o corregedor geral da Receita Federal, Moacir Leão. Todos ressaltaram a necessidade do fortalecimento da estrutura de fiscalização do Estado para o efetivo combate a estes delitos”.
Fonte: Jornal Boa Vista (Erechim) Data: 16/01/2004
Imagens relacionadas:
 
(Clique sobre a imagem para ampliar)

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br