ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Lavando as mãos

14/01/2004
Depois de terem participado ao longo dos últimos meses de uma série de reuniões para discutir o futuro do plano de assistência médica do Instituto de Previdência do Estado, os sindicatos caíram fora da mesa de negociações. Demasiado tarde, porque o projeto está praticamente pronto e há vários dias dele já se conhecem as linhas gerais.
Mais do que um sinal de descompromisso com o produto final, o gesto dos sindicatos deve ser interpretado como uma tentativa de evitar a aprovação do projeto em convocação extraordinária, durante o recesso parlamentar. Fora do período normal, o debate fica restrito, o projeto não precisa passar pelas comissões e a votação é atropelada.
Os sindicalistas sabem que não há muitas opções disponíveis quando se trata de discutir a viabilidade do falido IPE. Bem ou mal, o IPE é o plano de saúde de quase 1 milhão de gaúchos. Ruim com ele, pior sem ele. Omitir-se nesse debate é o pior que os sindicatos podem fazer para os servidores que representam.
A contribuição mínima de 11% para o sistema previdenciário está na emenda constitucional promulgada pelo Congresso. Plano de saúde é outra história. Alguns Estados têm, outros não. Hoje o do Rio Grande do Sul é superavitário com uma contribuição de 3,6%, mas está contaminado pela sangria de recursos para cobrir o rombo das pensões. Com a mudança, a contabilidade será separada e o novo IPE tem todas as condições para oferecer assistência médica de qualidade, desde que do plano participem também os servidores de altos salários.
É esse o nó da questão. Os sindicatos se revoltaram com a disposição inicial do Palácio Piratini de propor um plano opcional, baseado na convicção de que não havia embasamento jurídico para a cobrança compulsória. Os sindicatos alegam que isso quebraria o princípio que sustenta o IPE, o da solidariedade. Quem ganha mais, paga mais, e subsidia a assistência de quem ganha menos. Se for opcional, teme-se que os servidores mais bem-pagos migrem para planos privados.

Fonte: Zero Hora Página 10 - Rosane de Oliveira Data: 14/01/2004

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br