ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Estado se aproxima de limite da Lei Fiscal

10/02/2004
O percentual de comprometimento da receita líquida do Executivo gaúcho com pagamento de pessoal subiu 5% em 2003 e chegou a 48,69%. O índice se aproxima do limite máximo permitido pela Lei Fiscal, de 49%. Isso significa que, de cada R$ 100 de receita líquida (descontadas as transferências para municípios), o Piratini usou R$ 48,69 para pagar funcionários. No Ministério Público Estadual (MPE), o aumento foi de 16,77%, no Legislativo, de 2,6%, e no Judiciário, de 6,3%.
Mesmo sem conceder reajuste, o Executivo gaúcho viu os gastos com os servidores subirem em 2003 por conta do aumento vegetativos e pela implantação de aumentos acertados anteriormante com o magistério. A despesa total com o funcionalismo ativo e inativo do Executivo ficou em R$ 6 bilhões.
A situação em 2004 não deve melhorar. A Secretaria da Fazenda projeta um incremento de R$ 1 bilhão na folha, o que pode romper o limite previsto na Lei Fiscal, se a arrecadação não tiver um comportamento que compense o crescimento da despesa com os servidores.
- O percentual está muito apertado. Em breve isso nos criará limitações legais e restrições financeiras - avisa o secretário da Fazenda, Paulo Michelucci.
O Ministério Público e o Poder Judiciário tiveram as altas mais expressivas no percentual de comprometimento. A relação entre a folha salarial dos promotores e funcionários do MPE e a receita líquida cresceu 16,77% de 2002 para 2003. A dos magistrados e servidores da Justiça estadual aumentou 6,3%, saindo de 5,41% para 5,75%. Os dois poderes concederam reajustes de 28,8% no ano passado.
- Não vejo risco de ultrapassar o limite em 2004. Por outro lado, a aplicação do subteto salarial não deve reduzir o percentual significativamente - prevê o presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Osvaldo Stefanello.
Prefeitura não deve retomar bimestralidade
No caso de Porto Alegre, a elevação levou a prefeitura a suspender a política salarial da bimestralidade. O município repunha a inflação apurada pelo IGP-DI a cada dois meses. Com a alta inflacionária verificada em 2002, a Capital sustou a concessão de reajustes em maio de 2003.
- O comprometimento não recomenda a retomada da bimestralidade em 2004 - diz o secretário da Fazenda, Ricardo Collar.

A Lei Fiscal e os gastos públicos O que é a Lei Fiscal Em vigor desde 2000, a Lei Fiscal fixa normas de conduta administrativa e financeira para todos os poderes da República, União, Estados e municípios. A lei estabeleceu percentuais de gastos com pessoal, despesas com seguridade social, pagamento da dívida pública e operações de crédito. Procedimentos de transparência e divulgação das informações contábeis, critérios para elaboração de orçamentos e parâmetros para gestão de despesas e receitas também foram criados. O que é a faixa de prudência Corresponde a 95% do limite fixado pela Lei Fiscal. Quando um poder ou um ente da federação extrapola o percentual, ficam vedados reajustes, contratações (menos para repor aposentadorias ou mortes), criação de cargos, contratação de horas extras ou alterações na estrutura das carreiras. Como a Lei Fiscal afeta a população A lei permite o acompanhamento dos principais números sobre as finanças do setor público. Ao limitar os gastos com pessoal, obriga os administradores públicos como prefeitos e governadores, a diminuir a despesa com funcionários, liberando recursos para gastos do governo em áreas essenciais.
Fonte: Zero Hora Data: 10/02/04

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br