ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Hora de apertar o cinto

12/02/2004
Palácio Piratini bloqueia investimentos e gastos com manutenção da máquina do Estado e suspende concursos e contratações temporárias O amargo antídoto para contornar o déficit de R$ 1,6 bilhão previsto para 2004 foi apresentado ontem aos gaúchos. Depois de uma reunião de cinco horas com o secretariado, o governador Germano Rigotto anunciou a decisão de suspender R$ 745 milhões em gastos com o custeio da máquina pública - um arrocho de 25,6% nos R$ 2,9 bilhões previstos no Orçamento de 2004. O bloqueio inicial de investimentos é de 43,2%. Apenas R$ 550 milhões dos R$ 968 milhões orçados estão previamente garantidos.
A partir de agora, os secretários têm 20 dias para encaminhar programas de ajuste e racionalização de gastos de suas pastas. Cada um recebeu a lição de casa de procurar o que cortar nos seus programas de despesa. O limite de R$ 745 milhões no custeio - fixado, segundo o secretário da Fazenda, Paulo Michelucci, nos mesmos níveis de gastos de 2003 - ainda pode ser alterado, dependendo da resposta da equipe.
Quanto aos investimentos, a intenção é garantir a totalidade dos R$ 550 milhões referentes a obras da Consulta Popular, operações com financiamentos interno e externo garantidos e aplicações dos demais poderes. Os outros R$ 418 milhões serão liberados criteriosamente. Nas palavras do governador, "na boca do caixa":
- O que der para liberar, vamos liberar.
O órgão responsável por essa avaliação - a ser feita com base na disponibilidade mensal do Tesouro - será o novo Comitê de Controle e Racionalização do Gasto Público, criado por decreto a ser publicado hoje no Diário Oficial do Estado. O Comitê emitirá pareceres sobre a viabilidade financeira do investimento, que será submetido à Junta de Coordenação Orçamentária, responsável pela decisão final. Segundo o secretário da Coordenação e do Planejamento, João Carlos Brum Torres, a realização de novos concursos está suspensa.
- A regra é a suspensão de concursos e de contratações emergenciais, mas poderá haver excepcionalidades, a critério do governador - explicou Brum Torres.
Antes do anúncio das medidas de austeridade, Rigotto reclamou durante 30 minutos dos problemas que o levaram a adotá-las: a dívida com a União e a perda com a desoneração das exportações. Em ambos os casos, a culpa seria do governo federal.
- É uma coisa absurda o desinteresse do governo federal pelos impostos que são partilhados, como o IPI - protestou.
Oposição exige nova política fiscal
Para não entrar em atrito com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse apoiar "porque está fazendo a coisa certa", Rigotto reformulou a frase, culpando todos "os governos federais".
- É coisa que vem de tempo. Mas espero que este ano tenhamos uma solução - emendou.
A reação da oposição deu-se em dois planos. O primeiro ataque foi contra a proposta orçamentária de 2004, que teria sido elaborada e votada como "enxuta, austera e realista", segundo a situação, mas desmascarada pelas retenções anunciadas ontem. O segundo disparo atingiu a política fiscal do governo Rigotto. O deputado Raul Pont (PT) repetiu a crítica contra os incentivos fiscais:
- Em vez de culpar o governo, Rigotto deveria fortalecer as receitas próprias do Estado.

Os gargalos das contas públicas gaúchas em 2004 Pessoal A despesa com pessoal em 2004 terá um crescimento vegetativo de 5,2%, indo a R$ 7 bilhões. É um aumento que ocorre independentemente de o Piratini conceder reajustes salariais, em função de novas contratações, reestruturação de carreiras e pagamento de aumentos acordados anteriormente. Entre as despesas estão os R$ 344 milhões não-pagos em 2003 com o 13º salário do funcionalismo, que serão quitados em 2004. O Piratini terá de administrar as mobilizações de servidores por reposição salarial. O Cpers-Sindicato cobra um aumento de 28%. Previdência O déficit orçamentário do Rio Grande do Sul foi de R$ 3,2 bilhões em 2003. As perspectivas para 2004 não são otimistas, apesar da reforma da Previdência. O principal impacto com as mudanças ocorrerá no longo prazo. Imediatamente, as despesas mensais do Estado vão crescer. Com a separação contábil das áreas médica e de pensões do Instituto de Previdência do Estado (IPE), o Estado terá de pagar diretamente as pensionistas, sem desviar recursos da saúde do IPE. O gasto adicional será de R$ 20 milhões por mês. Dívida Embora o Piratini aposte na renegociação de critérios para pagamento da dívida com a União, as previsões para 2004 são negativas. Em 2003, o Rio Grande do Sul pagou em dívidas R$ 1,3 bilhão. A projeção para 2004 é de um gasto de R$ 1,7 bilhão com a despesa. O percentual de comprometimento da receita líquida em 2003 chegou a 18,7%. Além dos 13% pagos à União, o tesouro desembolsou outros 5,7% com financiamentos internacionais e outros compromissos federais, como o pagamento de parcelas do Programa de Saneamento e Reestruturação do Sistema Financeiro (Proes) do Banrisul. Receitas incertas O primeiro problema da Secretaria da Fazenda para 2004 é garantir o ingresso da receita prevista para o Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O desempenho projetado de R$ 9 bilhões com o ICMS tem como pressuposto um crescimento de 4% do Produto Interno Bruto em 2004. Ao elaborar o Orçamento de 2004, o Piratini contou com receitas ainda incertas. Previu R$ 140 milhões com a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), mas por enquanto só há a garantia de receber R$ 82 milhões. O Piratini também contava que o Fundo de Compensação das Exportações permitiria a transferência de R$ 640 milhões para o Rio Grande do Sul. A União só garantiu até agora R$ 6,3 bilhões para recompor as perdas dos Estados, o que subtrairá R$ 140 milhões do Estado.
Fonte: Zero Hora Data: 12/02/04

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br