ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Governo regulamenta hoje taxação de inativos

12/02/2004
Contribuição de 11% atingirá cerca de 430 mil aposentados
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve editar hoje a medida provisória que regulamenta a contribuição de 11% sobre as aposentadorias dos servidores federais, estabelecida na reforma da Previdência.
Ao mesmo tempo, a área jurídica do governo, com a Advocacia-Geral da União (AGU) à frente, está em ação para evitar uma possível derrota no Supremo Tribunal Federal (STF), onde estão sendo analisadas quatro ações diretas de inconstitucionalidade (Adin) contra a contribuição dos inativos e outros pontos da reforma. Até a semana que vem os advogados da União devem enviar ao STF a defesa do governo sobre o assunto.
Pela regra aprovada na reforma previdenciária, os 11% deverão incidir apenas sobre a parcela do salário mensal que exceder os R$ 1.440. Na prática, portanto, um servidor que ganhe o dobro desse valor (R$ 2.880), por exemplo, pagará uma contribuição efetiva de apenas 5,5% sobre o salário bruto. A discussão em torno do texto final da MP levou mais de um mês, pois o governo estudou fórmulas de excluir vantagens salariais do cálculo da contribuição.
Reservadamente, ministros do Supremo avaliam que as novidades da reforma previdenciária, como a taxação dos inativos e o teto salarial do funcionalismo, só poderão ser aplicadas de forma restrita. Segundo eles, há uma tendência em considerar ilegal o corte nos salários de quem já está na carreira e ganha mais do que o teto, fixado pelo Supremo em R$ 19.115,19. Essas pessoas teriam direito adquirido a manter os seus contracheques.
A mesma interpretação poderá ser aplicada à cobrança da contribuição previdenciária dos aposentados e pensionistas. No passado, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o STF julgou e suspendeu a cobrança que havia sido imposta por uma lei. Desta vez, no entanto, a contribuição está prevista em emenda constitucional. Ainda assim há uma corrente de ministros do Supremo que considera que direitos adquiridos não podem ser modificados nem mesmo por emenda constitucional. A nova cobrança A cobrança de 11% dos inativos da União é conseqüência da reforma da Previdência, promulgada em dezembro. Ficam isentos os servidores com renda inferior a R$ 1.440. Quem ganha mais de R$ 1.440 pagará 11% sobre a parte do salário que exceder esse valor. Diferentemente dos inativos gaúchos, que já descontavam 5,4% antes da reforma, os aposentados da União não tinham contribuição O presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) tentou implementá-la, em 1999, mas foi derrotado no STF.
Fonte: Zero Hora Data: 12/02/04

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br