ÁREA RESTRITA    
Login    Senha   
Página Incial
Técnicos Tributários participam de assembleia conjunta dos servidores públicos
Em coletiva de imprensa, Afocefe apresenta proposta para Estado superar acrise
Afocefe apresenta ao presidente da Assembleia Legislativa estudo que aponta saída para crise
NEWSLETTER
Assine a newsletter do AFOCEFE Sindicato e receba notícias por
e-mail:
Nome:
E-mail:
Notícias

Armando Burd

26/02/2004
DEPUTADOS SE ESCALAM
Líderes de bancadas moveram-se dos gabinetes na Assembléia Legislativa, atravessaram a rua Duque de Caxias e foram ontem ao Palácio Piratini perguntar ao governador Germano Rigotto o que podem fazer diante dos cofres raspados. A visita da comitiva se dá com um ano de atraso. Se o Executivo usasse os óculos adequados para examinar a projeção dos números, em fevereiro de 2003, teria disparado o sinal de alerta, evitando que a situação financeira chegasse à extrema e constrangedora situação de agora. Resta aos deputados voarem a Brasília e engrossarem o coro lamentoso. Talvez seja conveniente seguir logo a Washington e apelar por piedade a credores que amarraram contratos do governo federal aos pagamentos dos estados.
TUDO CALCULADO Se os deputados não tiverem êxito nas tratativas para ressarcimento das dívidas com o Estado, entrarão com ação judicial. A estratégia preservaria o Executivo de se expor em conflito com o Planalto.
A POSTOS A bancada do PT está disposta a se integrar ao esforço da Assembléia. Só não foi ontem à audiência no Piratini por alegar que ficaria constrangida com as cobranças pelo não-repasse do governo federal.
DISTÂNCIA PREJUDICA O governador Rigotto voltou a falar por telefone ontem à tarde com o presidente Lula e o ministro Antônio Palocci. Após o choro, nada resolvido. Uma saída seria o governador acampar na Esplanada dos Ministérios e anunciar que só sairia dali com dinheiro a que tem direito na mão. Ainda que a tecnologia permita ligações perfeitas, em Brasília sofrem de problemas auditivos, comprometendo a compreensão.
EFEITO LIMITADO As ações judiciais para exigir o pagamento em dia são o recurso que os servidores públicos têm para forçar o governo do Estado. Mesmo com decisões favoráveis, a Secretaria da Fazenda comprovará que está sem dinheiro e elas deixarão de ser cumpridas. Então, voltará tudo à estaca zero. Situação constrangedora.
PREJUÍZO ADICIONAL Servidores estaduais que têm empréstimos com desconto em folha entram no desespero. Apesar do parcelamento, instituições financeiras nem sonham em perdoar juros.
Fonte: Correio do Povo Data: 26/02/2004

VOLTAR
Print

Enviar a um amigo

Rua dos Andradas, 1234, 21º andar - Porto Alegre/RS - CEP 90.020-008
Fone: (51) 3021.2600 - Fax: (51) 3021.2627 - e-mail: afocefe@afocefe.org.br